Ludopedagogia: o brincar como foco na educação infantil

09/10/2018
Kumon Brasil Kumon
Compartilhe:

A ludopedagogia é um segmento da Pedagogia dedicado a estudar a influência do elemento lúdico na educação. Destaco que não se trata apenas da inserção da brincadeira pura e simples. Ela é uma ferramenta para propósitos pedagógicos dentro das diretrizes educacionais vigentes.

 

Mas, afinal, por que o brincar pode ser o norte da educação infantil? O lúdico faz parte da natureza da criança, é uma linguagem inerente a ela. Quando a brincadeira é trabalhada com um objetivo pedagógico, potencializa o processo de aprendizagem, tornando o desenvolvimento infantil mais completo. Por meio de recursos lúdicos, como jogos, games, teatro, música, cinema, a criança desenvolve a capacidade de formar conceitos, selecionar ideias, estabelecer relações e integrar percepções. A ludicidade serve a um propósito de construção de valores sociais e afetivos, além de desenvolver os campos intelectual e motor.


As diretrizes educacionais brasileiras, na Educação Infantil e nos ciclos iniciais do Ensino Fundamental, estimulam o uso do lúdico dentro da sala de aula, de modo que muitas escolas já investem em ludopedagogia sem saber. É importante que as crianças tenham tempo e espaço para o brincar livre. Porém, as brincadeiras com objetivo pedagógico devem ter atenção especial do professor, que deve saber diferenciar os recursos lúdicos com caráter apenas de entretenimento daqueles que têm fundamentação pedagógica.

 

Entre os fatores fundamentais nessa escolha estão: faixa etária, potencial criativo e desafiador, possibilidade de autonomia e protagonismo da criança, além da diversidade na oferta. A inserção das novas tecnologias tem se mostrado uma importante iniciativa nesse sentido, pois elas têm forte apelo no universo dos nativos digitais. Alguns recursos, aliás, têm favorecido a inclusão de crianças com deficiência, como o uso de games com crianças autistas e com Síndrome de Down.


Cristiano Sieves

É formado em Comunicação Social e pós-graduado em ludopedagia para a Educação Infantil e Anos Iniciais. Atualmente é gerente de marketing e consultor em ludopedagogia da Playmove.



O acesso ao ensino regular a partir dos 4 anos não significa antecipar os processos de alfabetização. Essa lei vem consolidar a importância dessa fase na vida das crianças, com um objetivo muito mais voltado ao desenvolvimento integral da criança do que à inserção de conteúdos específicos das disciplinas tradicionais. Nessa fase, o trabalho é voltado à construção de valores éticos, morais e sociais, estruturação de conceitos lógicos, desenvolvimento da coordenação motora e capacidade de raciocínio.

 

Jogos e brincadeiras são ótimos para trabalhar socialização, respeito a regras e resolução de conflitos. Brincadeiras com movimento, como atividades esportivas, queimada, bambolê, são fundamentais para o desenvolvimento da coordenação motora. Contação de histórias, desenho, música e teatro são importantes para despertar a imaginação, a expressão, desenvolver linguagens e formar futuros leitores. Já os games, jogos de tabuleiro e de construção são importantes para desenvolver o raciocínio lógico e construir conceitos matemáticos, que darão suporte para o aprendizado das operações, da geometria e até de assuntos de Química e Física.

 

Diante disso, ao inserir as crianças no ambiente escolar ainda aos 4 anos de idade, docentes, gestores e pais não devem privá-las dos momentos lúdicos. Pelo contrário, devem incentivá-las, pois o brincar propicia momentos valiosos de exploração, em que os pequenos interagem e descobrem o mundo que está a sua volta e têm a oportunidade de se expressar por meio das linguagens.

Tags: dicas

Artigos relacionados

Receba conteúdos exclusivos do Kumon
Aceita receber informações do Kumon?
Política de privacidade