Transformar a vida das pessoas, esse é o nosso desejo: Eliane Silva e seu amor pela educação

18/12/2019
Kumon Brasil Kumon
Compartilhe:

Desde muito jovem, Eliane Maria da Silva desejava ser professora, mas não encontrava oportunidades para realizar seu sonho. Passados alguns anos, ela conheceu o Kumon e descobriu uma forma de começar a atuar na área educacional. “Quando eu li sobre o método, fiquei apaixonada e me identifiquei com a história do professor Toru Kumon  e de seu filho, Takeshi.”

 

O Kumon é uma metodologia de estudo que incentiva o aluno ao autodidatismo. Por meio do aprendizado individualizado, ajuda a criança a perceber e potencializar as próprias habilidades, formando cidadãos capazes de contribuir para uma sociedade melhor. Encantada com a missão da empresa, Eliane decidiu abrir uma unidade, levando o método para mais pessoas.

 

Formada em Administração, ela atua como orientadora da Unidade Terminal Grajaú. Seu papel é cuidar das demandas administrativas e financeiras, além de acompanhar, direcionar e avaliar o desempenho dos alunos. Por meio da orientação individualizada, ela respeita o ritmo de estudo de cada criança, mostra os pontos a melhorar e propõe formas de aprimorar as competências com independência.

 

A aprendizagem entre aluno e orientador

Durante esses anos como orientadora, um dos momentos mais marcantes para Eliane foi quando auxiliou uma aluna, de 29 anos, a desenvolver as capacidades comunicativas. A moça sofrera dois AVCs (Acidente Vascular Cerebral) e fora diagnosticada com afasia, distúrbio de linguagem causado por lesão no cérebro. “Ela não falava nada. Carregava imagens para se comunicar com as pessoas. Contudo, seu desejo era aprender a falar, ler e escrever.”

 

Inicialmente, Eliane ficou com receio de não conseguir ajudá-la. Apesar disso, confiou no método e percebeu que esse desafio seria fundamental para seu crescimento. “Foram dias de muitas orientações e aprendizados. Com o tempo, senti que o processo estava sendo importante tanto para ela quanto para mim.”

 

Certa vez, a aluna não foi à unidade. Eliane ligou para a casa da moça, a fim de saber o que tinha acontecido, e teve uma grande surpresa. “Ela atendeu ao telefone respondendo com um belíssimo ‘alô’.” Diante disso, a orientadora afirma que “o potencial do aluno é transformado e desenvolvido pelo método Kumon”.

 

Gostou da história? Clique aqui e conheça outras pessoas apaixonadas pela educação.

Tags: kumon, experiência, franquia

Artigos relacionados

Receba conteúdos exclusivos do Kumon
Aceita receber informações do Kumon?
Política de privacidade