Transformar a vida das pessoas, esse é o nosso desejo: Eliane Silva e seu amor pela educação

18/12/2019
Kumon Brasil Kumon
Compartilhe:

Desde muito jovem, Eliane Maria da Silva desejava ser professora, mas não encontrava oportunidades para realizar seu sonho. Passados alguns anos, ela conheceu o Kumon e descobriu uma forma de começar a atuar na área educacional. “Quando eu li sobre o método, fiquei apaixonada e me identifiquei com a história do professor Toru Kumon  e de seu filho, Takeshi.”

 

O Kumon é uma metodologia de estudo que incentiva o aluno ao autodidatismo. Por meio do aprendizado individualizado, ajuda a criança a perceber e potencializar as próprias habilidades, formando cidadãos capazes de contribuir para uma sociedade melhor. Encantada com a missão da empresa, Eliane decidiu abrir uma unidade, levando o método para mais pessoas.

 

Formada em Administração, ela atua como orientadora da Unidade Terminal Grajaú. Seu papel é cuidar das demandas administrativas e financeiras, além de acompanhar, direcionar e avaliar o desempenho dos alunos. Por meio da orientação individualizada, ela respeita o ritmo de estudo de cada criança, mostra os pontos a melhorar e propõe formas de aprimorar as competências com independência.

 

A aprendizagem entre aluno e orientador

Durante esses anos como orientadora, um dos momentos mais marcantes para Eliane foi quando auxiliou uma aluna, de 29 anos, a desenvolver as capacidades comunicativas. A moça sofrera dois AVCs (Acidente Vascular Cerebral) e fora diagnosticada com afasia, distúrbio de linguagem causado por lesão no cérebro. “Ela não falava nada. Carregava imagens para se comunicar com as pessoas. Contudo, seu desejo era aprender a falar, ler e escrever.”

 

Inicialmente, Eliane ficou com receio de não conseguir ajudá-la. Apesar disso, confiou no método e percebeu que esse desafio seria fundamental para seu crescimento. “Foram dias de muitas orientações e aprendizados. Com o tempo, senti que o processo estava sendo importante tanto para ela quanto para mim.”

 

Certa vez, a aluna não foi à unidade. Eliane ligou para a casa da moça, a fim de saber o que tinha acontecido, e teve uma grande surpresa. “Ela atendeu ao telefone respondendo com um belíssimo ‘alô’.” Diante disso, a orientadora afirma que “o potencial do aluno é transformado e desenvolvido pelo método Kumon”.

 

Gostou da história? Clique aqui e conheça outras pessoas apaixonadas pela educação.

Tags: kumon, experiência, franquia

Artigos relacionados

Receba conteúdos exclusivos do Kumon
Aceita receber informações do Kumon?
Política de privacidade
Para garantir ainda mais transparência em como usamos seus dados pessoais aqui no Kumon, nós atualizamos nossa Política de Privacidade. Caso queira consultá-la, clique aqui. Utilizamos cookies para garantir a melhor experiência no nosso site. Ao continuar a navegar neste site, você concorda como o seu uso. Para saber mais sobre o uso de cookies, clique aqui.