Imersão cultural

18/06/2019
Johnatan Padovez Kumon
Compartilhe:


Nos últimos cinco meses vivendo nos Estados Unidos, experienciei grande variedade de situações típicas estadunidenses: desde comer pizza no almoço, panquecas, bacon e ovos no café da manhã até assistir a jogos de basquete, futebol americano e baseball.

Essas atividades estavam em meu imaginário sobre a cultura estadunidense, e foi muito satisfatório poder concretizá-las.


Seria simplista e equivocado, contudo, colocá-las como minhas experiências culturais mais significativas em Boston. Principalmente porque, sendo uma cidade majoritariamente universitária e global, conversar com estadunidenses é menos comum do que a interação com pessoas de outras nacionalidades.

Em meu laboratório, por exemplo, estamos em um grupo de seis pessoas, das quais apenas uma é estadunidense. Os demais são: dois brasileiros, um filipino, um malaio e um irlandês. Além disso, no mesmo departamento, há colegas da Coreia do Norte, do Japão, da China, da Índia, da Indonésia, da Itália e por aí vai.

E é justamente nesse encontro multirregional que está a maior possibilidade tanto de imersão cultural quanto de intercâmbio. É nas conversas informais sobre comparações de sistemas políticos, de saúde, sobre organizações urbanas e rurais, sobre os esportes mais comuns e, claro, sobre a culinária que é possível se transportar pelo mundo sem sair do lugar. É nesses momentos que percebemos tantas semelhanças que nos aproximam, apesar das enormes distâncias.

A curiosidade pelo outro me acompanha desde cedo, e aprender inglês foi, para mim, uma forma de expandir e concretizar esse desejo. Nesse sentido, ter feito o método Kumon foi especialmente importante porque durante o avançar dos estágios eu sentia que estava sendo confrontado com diferentes repertórios culturais.

Hoje, quando penso no uso do inglês como maneira de me comunicar com pessoas das mais diferentes nacionalidades, percebo que a abordagem do Kumon, que não foca apenas em uma vertente cultural, dialoga mais com meus objetivos e me preparou melhor para eles. 

 

 

 

 

 

 


Tags: kumon, experiência, alunos, aprendizado, inglês

Artigos relacionados

Receba conteúdos exclusivos do Kumon
Aceita receber informações do Kumon?
Política de privacidade